Quanto tempo tem garantia de móveis?

Qual a garantia de móveis?

Por lei o consumidor tem direito à garantia dos produtos adquiridos, a chamada garantia legal, estabelecida pelo Código de Defesa do Consumidor (CDC). Assim, o cliente de uma marcenaria tem 90 dias para reclamar de problemas com bem duráveis independente de previsão do contrato.

Qual o tempo de garantia de um Guarda-roupa?

A garantia legal é estabelecida pelo Código de Defesa do Consumidor (CDC) e independe de previsão em contrato. Assim, o consumidor tem 30 dias para reclamar de problemas com o produto se ele não for durável, ou 90 dias se for durável.

Quantos dias a loja tem que dar de garantia?

O artigo 26 define que o consumidor tem até 30 dias para reclamar de vícios aparentes ou de fácil constatação em produtos ou serviços não duráveis. O período de tempo é maior no caso dos duráveis: 90 dias.

Qual é o prazo de garantia de um sofá?

Sendo assim, os prazos legais para reclamar serão os mesmos, 30 dias para produtos não duráveis e 90 para duráveis.

Qual a garantia de um produto por lei?

Todo produto, por lei, tem garantia, independente de ser oferecida ou não pelo fornecedor. É a chamada “garantia legal”: 30 dias para produtos não duráveis e 90 dias para produtos duráveis. A garantia oferecida pelo fornecedor é complementar à legal: é a “garantia contratual”, oferecida mediante documento escrito.

É INTERESSANTE:  O que significa que não foi comprovada qualidade de segurado?

Como funciona a garantia de um produto?

” A garantia legal é estabelecida pelo CDC (Código de Defesa do Consumidor) e independe de previsão em contrato. A lei garante e ponto. Assim, você tem 30 dias para reclamar de problemas com o produto se ele não for durável (um alimento, por exemplo), ou 90 dias se for durável (uma máquina de lavar, por exemplo).”

Qual a garantia de uma roupa?

O Código de Defesa do Consumidor assegura um prazo de até 90 dias para produtos duráveis (eletroeletrônicos, roupas, por exemplo) e 30 dias para produtos não duráveis (alimentos, por exemplo).

Porque Guarda-roupa tem Hifen?

As palavras prefixadas em que o prefixo termina com vogal e o segundo elemento começa por ‘r’ ou ‘s’ não possuem hífen. … Contudo, a palavra guarda-roupa continua com hífen pois não é prefixada, ela é uma palavra composta (forma verbal + substantivo).

O que a garantia não cobre?

A garantia não cobre o mau uso pelo consumidor e, regra geral, os manuais de usuários desse tipo de produtos alertam sobre essa questão, portanto, a garantia só cobre defeitos ou vícios do produto (art. 12, III).

Como funciona a garantia de 7 dias?

O CDC prevê o arrependimento ou reflexão, num prazo de 7 dias. (art. 49, “caput” e parágrafo único da Lei 8.078/90 – Código de Defesa do Consumidor), a partir da entrega do produto, podendo o consumidor desistir da compra ou do contrato sem explicar o motivo, ou seja, independente de defeito no produto.

Qual o prazo para reclamar de um produto com defeito?

Em relação a produtos e serviços duráveis como móveis, eletrodomésticos ou consertos e reparos, o CDC determina que o prazo para reclamação é de 90 dias. A contagem do prazo inicia-se após a entrega do produto ou término da execução do produto.

É INTERESSANTE:  Como funciona o seguro vida inteira?

O que cobre a garantia de um sofá?

Desbotamento causado pela exposição direta à luz solar; Uso indevido de produtos para impermeabilização; Danos causados por agentes da natureza, como inundações ou acidentes de qualquer espécie; Consertos realizados por pessoas não autorizadas pela empresa.

O que a garantia do sofá cobre?

Defeitos visíveis no ato da entrega: revestimento rasgado, manchado, sujo, estrutura quebrada, incompleta, desalinhada entre outros de fácil constatação; • Problemas causados pela não observância das recomendações de uso: limpeza incorreta, revestimento desbotado, trincado, sujo, manchado entre outros causados pelo mau …

O que diz o artigo 35 do Código do consumidor?

I – exigir o cumprimento forçado da obrigação, nos termos da oferta, apresentação ou publicidade; II – aceitar outro produto ou prestação de serviço equivalente; III – rescindir o contrato, com direito à restituição de quantia eventualmente antecipada, monetariamente atualizada, e a perdas e danos.